gestão de pessoas

  • Postado por editora em em 08/05/2018 - 15:57

    A área de gestão de pessoas tem sofrido impactos diretos das mudanças que ocorrem nas organizações e na busca de alternativas para sobreviver em cenários e mercados revoltos. A governança corporativa vem se adaptando à necessidade de fazer a leitura desses cenários e tornar a organização convergente em seu propósito, na formação e no preparo de seus colaboradores e na obtenção de resultados competitivos em um mercado de modelos diferenciados.
    A acelerada mudança tecnológica e a necessidade de acompanhar a sociedade e o mundo corporativo em suas demandas, e na forma como as pessoas são inseridas nesses contextos, têm requerido dos profissionais de recursos humanos e líderes novas perspectivas de atuação.
    Os profissionais de recursos humanos são os mobilizadores das lideranças para a gestão estratégica de uma organização, a partir do entendimento de que estamos em tempos em que a emoção (humano) e a lógica (tecnologia) caminham juntos. A inteligência artificial e os algoritmos estão à disposição  para facilitar a tomada de decisão, porém acompanhados do valor humano.

    Diante deste cenário, lançamos o livro Recursos humanos: transformando pela gestão, que se destina a todos que têm interesse em estudar, revisitar ou conhecer novos conteúdos, sistemas organizacionais e tendências globais em gestão de pessoas.

    Trata-se de um conjunto de artigos de vários especialistas, organizados pelas professoras Ana Paula Arbache e Denize Athayde Dutra, ambas da Fundação Getulio Vargas, que apresentam uma análise de contextos mundiais e do Brasil que ajudarão a compreender o momento atual do mundo corporativo e a visão de um futuro que insiste no aqui e agora, ressaltando a importância de compreender os novos modelos de gestão e de organizações, em que recursos humanos são a base dessa transformação.

    Confira a introdução da obra:

    Nas últimas três décadas, a gestão de recursos humanos evoluiu de departamento de pessoal e relações trabalhistas para uma função muito mais estratégica e abrangente: a de cuidar das pessoas para que essas possam cuidar das organizações.
    Por outro lado, se analisarmos o perfil dos profissionais que atuam na área, há um descompasso entre o discurso do RH estratégico e a realidade da maioria das organizações brasileiras. No Brasil, como em outros países, as organizações encontram-se em diferentes estágios de maturidade na função recursos humanos, graças a um conjunto de variáveis, tais como tamanho, estrutura, forma de capital, natureza do negócio, entre outras.
    O que trouxe o RH até o estágio atual, não será o mesmo que o levará à frente. Para dar conta dos novos desafios, as organizações carecem de profissionais mais preparados.
    A Fundação Getulio Vargas, por meio da FGV Management, lançou, em abril de 2014, um novo programa de Master Business Administration (MBA) voltado para formar executivos de recursos humanos como especialistas estratégicos, capazes de contribuir para o alcance dos resultados organizacionais, propondo políticas, diretrizes e práticas de gestão de recursos humanos alinhadas com os objetivos estratégicos da organização e que dignifiquem a relação do homem com o trabalho.
    Esta obra é o resultado da produção de parte do corpo docente do MBA de RH na busca de estabelecer as premissas conceituais básicas para cada disciplina que compõe o programa do curso, de modo que possa dar a outros profissionais, que não sejam alunos da FGV, um referencial teórico para a gestão de recursos humanos em suas organizações.
    O capítulo 1 apresenta a evolução da área de recursos humanos no Brasil e sua valorização como determinante para agregar valor ao negócio e ao propósito das organizações, bem como, contribuir para o desenvolvimento do país.
    O capítulo 2 traz conceitos para ajudar o profissional a entender o ambiente macroeconômico e seus impactos na tomada de decisão quanto às ações de recursos humanos na organização.
    O capítulo 3 permitirá que o profissional de RH entenda seu papel na governança de uma organização e como este entendimento e reflexões sobre a ética podem contribuir para o desenvolvimento sustentável de sua organização e do país, para garantir espaço na tomada de decisão e numa atuação mais propositiva da área.
    O capítulo 4 trata da questão da cultura organizacional e suas implicações no desempenho organizacional e nos modelos e práticas de gestão em um ambiente globalizado, de fusões, aquisições, joint ventures e surgimento de novos modelos organizacionais.
    O capítulo 5 aborda a gestão da mudança e do clima organizacional, onde temos cenário de alta volatilidade, de mudanças aceleradas, de elevado grau de obsolescência de produtos e serviços, de padrões de comportamentos diferentes com os quais ainda nem aprendemos a lidar.
    O capítulo 6 estimula o pensamento estratégico, fornecendo base conceitual e ferramentas para o RH desdobrar as estratégias da organização, por meio do próprio planejamento, alinhando todos os processos da função RH de forma sinérgica e holística, que contribua efetivamente para a melhoria da performance organizacional.
    No capítulo 7, o autor amplia o olhar do RH para as finanças corporativas, gerando condições para análise de demonstrativos e indicadores e criação de métricas próprias da função RH como forma de fortalecer seu posicionamento como gerador de resultado e não como simples gerador de custo.
    O capítulo 8 oferece ao especialista de RH uma importante metodologia para estruturar seus projetos e poder assegurar resultados nas ações de sua área. Outro aspecto do capítulo de gerenciamento de projetos é o RH ser suporte para os projetos estratégicos da organização, já que as estruturas organizacionais estão cada vez menos matriciais, adotando o modelo de gestão por projetos.
    O capítulo 9 revê os princípios do direito trabalhista que são a base de uma relação capital/trabalho justa e discute um conjunto de temas atuais, como assédio moral, diferentes tipos de contrato de trabalho, expatriação, inclusão de portadores de necessidades especiais, entre outros que estão presentes nas organizações públicas, privadas e do terceiro setor.
    O capítulo 10 refere-se aos processos de atração, seleção e retenção de pessoas como fator estratégico de sucesso para a gestão dos recursos humanos num contexto em que influenciar positivamente a percepção de valor do empregado (EVP) é um dos desafios da área de RH.
    O capítulo 11 expõe um conjunto de conceitos sobre a importância da capacitação e da gestão do conhecimento e de novas metodologias de aprendizagem, especialmente aquela mediada por tecnologia, como uma solução para atender às demandas geradas pela revolução digital e de disseminação do conhecimento de forma mais rápida e econômica, considerando que hoje a atuação das organizações não tem mais fronteiras geográficas.
    O capítulo 12 foca a gestão do desempenho e do modelo de gestão por competência, já que as empresas estão buscando novos formatos para lidar com o desafio da melhoria de performance dos colaboradores, à medida que o país tem ainda um dos mais baixos níveis de produtividade do mundo.
    O capítulo 13 aborda um tema crucial que é a remuneração, benefícios e carreira dos colaboradores, já que esses aspectos impactam diretamente nos resultados e têm variáveis internas e externas à organização, dependendo inclusive do ambiente macroeconômico.
    O capítulo 14 promove reflexões sobre a saúde corporativa e sobre a importância estratégica desse tema para as organizações, visto que os gastos com a saúde são, hoje, a segunda maior despesa de RH, depois da folha de pagamento.
    O capítulo 15 analisa o comportamento humano como fundamento para entender as relações entre capital e trabalho, compreender os impactos do comportamento sobre cultura organizacional, bem como sua importância para o desenvolvimento da inteligência emocional.
    O capítulo 16 traz conceitos para transformar gestores em líderes, que muito além da autoridade legítima de sua função, consigam influenciar as pessoas para contribuir com a missão organizacional, procurando elevar o desempenho e o potencial individuais em prol de objetivos coletivos.
    O capítulo 17 estimula o desenvolvimento da competência de negociação, essencial para o sucesso de qualquer gestor, especialmente o profissional de RH, que lida com toda a complexidade dos seres humanos e seus diferentes interesses e pontos de vista. Ter propostas de trabalho e não conseguir negociar com os diversos stakeholders a implantação dos projetos não irá colocar o RH na posição em que a organização precisa dele.
    O último capítulo, chamado “Tópicos especiais: e produção de conhecimento...”, resume alguns trabalhos de conclusão de curso das primeiras turmas do MBA de RH da FGV, cujos alunos foram instigados a produzir conhecimento sobre temas relevantes para o posicionamento estratégico da função de recursos humanos e seus desafios.
    Existe vasta literatura sobre gestão de pessoas e liderança, mas a produção de conhecimento sobre as funções de recursos humanos ainda é lacunar no Brasil; por isso, este livro tem por objetivo contribuir com conceitos e reflexões, que coloquem a FGV como protagonista do pensamento e das práticas de RH estratégico e transformador das organizações frente aos desafios presentes e futuros.

     

    Lançamentos:

    Rio de Janeiro | 22 de maio, às 18h30 | Livraria FGV

    São Paulo | 4 de junho, às 19h | Livraria Cultura - Conjunto Nacional

     

    Recursos humanos: transformando pela gestão

    Ana Paula Arbache, Denize Athayde Dutra

  • Postado por editora em em 21/09/2016 - 11:20

    A Editora e a Livraria FGV promovem, no dia 22 de setembro, o lançamento de duas novas obras que integram a Coleção FGV Universitária.

    Esta coleção reúne livros voltados para cursos de graduação em Administração de Empresas e Economia, todos desenvolvidos por professores da Fundação Getulio Vargas.

    O objetivo das obras é oferecer base teórica atualizada para as disciplinas ligadas tanto às ciências exatas quanto às ciências humanas, mantendo clareza e objetividade em seus conteúdos.

    Gestão de pessoas: uma vantagem competitiva?, das professoras Maria Zélia De Almeida Souza e Vera Lucia De Souza, aborda o tema da gestão de pessoas com o foco na crença, por parte das autoras, de que uma organização apenas será o que quer ser se for capaz de despertar em cada indivíduo que nela atua o desejo de oferecer o melhor que possui em sua bagagem pessoal. Daí o entendimento de que esse é o principal desafio gerencial. A mudança no ambiente de negócios construído para o atendimento das demandas da reestruturação produtiva dos anos 1990, bem como suas repercussões nesse campo do saber, são o pano de fundo dos capítulos deste livro.

    Administração Financeira 1: finanças para empreendedores e iniciantes, do professor Jose Carlos Abreu, apresenta os assuntos das finanças nas empresas de uma forma simples e direta. Primeiro, são introduzidas as situações e as dificuldades práticas para a abertura e o desenvolvimento de uma empresa, com questões, dúvidas e perguntas que os iniciantes e empreendedores costumam ter ao pensar em criar suas empresas. Na sequência, sempre dentro de cada capítulo, o livro traz soluções, modelos, justificativas, explicações e os conceitos fundamentais utilizados pelos executivos financeiros no dia a dia dos mercados para responder às suas questões e dúvidas.

    Os autores estarão presentes para a noite de autógrafos na Livraria FGV, nesta quinta-feira, às 17h30.

     

    Confira mais obras que fazem parte da Coleção FGV Universitária no site da Editora FGV em http://editora.fgv.br/colecao-fgv-universitaria

     

  • Postado por editora em Atualidades, Destaques em 30/11/2015 - 12:36

    A série Gestão de Pessoas, das Publicações FGV Management, começa a ser renovada.

    Diante das diversas mudanças no mercado, a relação profissional também muda e os temas mais relevantes são atualizados neste coleção.

    'Ética e sustentabilidade' e 'Coaching e mentoring' são os dois primeiros livros desta nova série.

    Confira a introdução dessas obras:

    "Este livro apresenta teorias e práticas sobre ética e sustentabilidade com o objetivo de facilitar a reflexão sobre um conjunto de ideias que sirvam de referência para a leitura crítica de sua realidade, assim permitindo a identificação do quanto a melhoria da qualidade das relações éticas e da prática da sustentabilidade nas organizações já exigem ações da sua parte.
    A compreensão desenvolvida por meio da leitura dos capítulos ilumina as atuais questões éticas e de sustentabilidade no âmbito empresarial, buscando, desse modo, tornar claros seus impactos nos resultados profissionais e empresariais. O diagnóstico da situação atual orientará a definição de ações para o alcance de melhorias nas práticas da dignidade humana nas organizações e da sustentabilidade da vida na Terra.
    O primeiro capítulo discute conceitos, princípios e fundamentos da ética e da moral, coloca a ética no plano da reflexão e a moral no nível das ações, para demonstrar a relação entre regras morais e moralidade, amoralidade e imoralidade. Depois, são apresentados dois modelos de gestão ética, um deles fundamentado na deontologia kantiana e o outro no utilitarismo inglês, para logo a seguir identificarmos as vantagens e desvantagens de suas aplicações nas organizações. Os desafios éticos da pós-modernidade servem de cenário para a discussão sobre a liderança ética e seus efeitos positivos nos resultados empresariais, no contexto específico da moral patrimonialista presente na sociedade e nas organizações brasileiras, destacando-se aí o abuso de poder e os papéis do código de conduta ética e do comitê de ética.
    No segundo capítulo, são apresentados fundamentos, indicadores e normas para estabelecer uma estrutura conceitual capaz de analisar ações de responsabilidade social desenvolvidas nas organizações. Aproveitamos o contexto delineado para discutir o papel do terceiro setor e de suas associações representativas. Em seguida, discorremos sobre a importância do alinhamento entre objetivos de acionistas e de gestores das organizações por meio da governança corporativa. Já a reputação da organização é apresentada como um importante ativo intangível que necessita ser gerenciado e, finalizando, abordamos o desenvolvimento moral da organização por meio da análise dos estágios de maturidade pré-convencional, convencional e pós-convencional.
    O terceiro capítulo examina fundamentos, conceitos e princípios da sustentabilidade; depois destaca os objetivos do desenvolvimento sustentável e apresenta a evolução conceitual até o triple bottom line. A partir daí, detalha seus pilares econômico, ambiental e social, bem como os estágios para a sustentabilidade corporativa. Na sequência, são apresentadas as múltiplas demandas dos stakeholders, o retorno intangível e o gerenciamento do risco corporativo, para concluir com a descrição de modelos de avaliação de sustentabilidade.
    Finalmente, apontamos as conclusões possíveis de alcançar em função dos limites estabelecidos pelos conceitos e experiências apresentados nos capítulos."

     

    "Estamos vivendo um momento de transição no que diz respeito à área de gestão de pessoas. Trata-se da migração de uma lógica de departamento de pessoal para o chamado RH estratégico (Ulrich, 2000). Inicialmente, a área concentrava atividades meramente burocráticas, tais como admissão, registros e folha de pagamento. Em seguida, passou a trabalhar com treinamento, avaliação de desempenho e demais dimensões funcionais, mas ainda de forma fragmentada. Mais recentemente, ganhou contornos estratégicos, aproximando-se das áreas de negócios (Wood Jr., Tonelli e Cooke, 2012).
    Considerando esse contexto de evolução, parece não haver mais dúvidas de que pessoas não são recursos; são geradoras de recursos. Produtos ou serviços isoladamente não são mais diferenciais. O que destaca hoje uma organização é a gestão do conhecimento, a inovação, a dimensão humana. Isso significa que as organizações precisam de pessoas competentes, motivadas e comprometidas. O que se espera hoje de gestores, bem como de analistas e de técnicos de gestão de pessoas está alinhado aos novos papéis da área, sobretudo o de parceiro estratégico da organização. Esperam-se, portanto, profissionais com capacidade de liderança, visão sistêmica, flexibilidade, capacidade de negociação, além da capacidade para discutir as estratégias da empresa e desenvolver políticas alinhadas a tais estratégias.
    Esperam-se profissionais que discutam o negócio com as outras áreas da empresa e que tenham a ética e a sustentabilidade norteando todas as suas ações.
    Diante do exposto, leitor, entendemos que no atual ambiente de negócios é tarefa do profissional buscar permanentemente o autoconhecimento e o autodesenvolvimento. É preciso identificar
    suas competências e trabalhar para aprimorá-las, bem como adquirir outras que ainda não tem. Nesse sentido, processos como os de coaching ou mentoring podem ser muito úteis.
    Você, provavelmente, já ouviu falar sobre tais processos. Eles ganharam bastante espaço nas revistas de negócios e em sites especializados. O número de cursos oferecidos sobre o tema parece, também, ter se multiplicado, assim como o número de profissionais que hoje se dedicam a essa atividade.
    O objetivo deste livro é apresentar a essência do conceito tanto de coaching quanto de mentoring, as características dos processos, bem como discutir as aplicações no âmbito individual e organizacional. Para tanto, o livro está dividido em quatro capítulos, além desta introdução e da conclusão.
    O capítulo 1 apresenta os principais aspectos que caracterizam a sociedade em que vivemos e como esses aspectos penetram no mundo do trabalho. Em seguida, discute como o ambiente de negócios responde às principais mudanças. Por fim, traz à tona o desenvolvimento de competências e a gestão de carreira, a fim de contextualizar o surgimento e a disseminação do coaching e do mentoring nas organizações contemporâneas.
    O capítulo 2 aborda o processo de mentoring. Apresenta o conceito e as características do processo, bem como o perfil do mentor e do mentorado. Traz, ainda, o mentoring B2B e a aplicação do mentoring no exercício da liderança. Por fim, apresenta os requisitos, as técnicas e as etapas, além de discutir programas ligados ao processo e seus fatores críticos de sucesso.
    O capítulo 3, por sua vez, traz o processo de coaching.
    Inicialmente, são apresentados o conceito e as disciplinas que fundamentam o processo, bem como as principais abordagens metodológicas. Em seguida, são apresentados os tipos de aplicação mais comuns de coaching, assim como as macroetapas de um processo, para ilustrar sua aplicação. Por fim, são discutidas a formação do coach, as vantagens e os riscos inerentes ao processo.
    Nos capítulos 1, 2 e 3, foram apresentados aspectos mais teóricos acerca do tema, ou seja, uma base conceitual, que permitiu trazer a prática à tona. O capítulo 4 tem, portanto, contornos mais pragmáticos. São abordados os impactos dos processos de coaching e de mentoring no desenvolvimento pessoal e profissional dos indivíduos. Partimos do entendimento de que o ponto inicial para escolhas, mudanças, aquisições e aprimoramento de competências, bem como para a gestão da carreira é o autoconhecimento. Como sugere Vergara (2010:67), “a busca do autoconhecimento, certamente, conduz ao autodesenvolvimento”.
    Na sequência, portanto, o capítulo trata do autodesenvolvimento e do autocontrole. Traz, ainda, considerações sobre valores e visão de futuro. A primeira parte, portanto, é dedicada ao diagnóstico. A partir daí, explora o plano de ação e ajuste de metas. Por fim, o capítulo aborda a questão da gerência do tempo, que pode ser um aliado nos processos de desenvolvimento pessoal e profissional."

    Ética e sustentabilidade Coaching e mentoring

  • Postado por editora em Promoções em 07/11/2013 - 12:33

    Compreender a importância dos funcionários e colaboradores e o quanto eles podem contribuir, através de suas funções e comportamentos  dentro de uma empresa, é fundamental para o bom desempenho e sucesso do negócio de qualquer natureza.

    Perceber e valorizar uma administração através da gestão responsável das pessoas no ambiente profissional é a relação transformadora pela qual as empresas vêm passando nos últimos anos.

    Pensando nisso, a Promoção Meio a Meio de hoje traz o livro 'Gestão com pessoas: uma abordagem aplicada às estratégias de negócios'.

    Em sua 5ª edição, esta obra de Takeshy Tachzawa, Victor Cláudio Paradela Ferreira e Antônio Alfredo Mello Fortuna aponta que cada vez mais, as organizações percebem que de nada valerão suas estratégias de negócios para ampliar mercados, conquistar clientes e obter resultados favoráveis se não considerarem que tudo depende da boa execução dos processos que compõem sua cadeia produtiva e que a realização desses processos está diretamente ligada ao desempenho das pessoas da organização a quem competem atividades essenciais nos níveis estratégico e operacional.

    Confira um trecho do livro:

    Uma mudança fundamental, em escala mundial, está ocorrendo no meio ambiente e no contexto interno das organizações. Esta mudança está provocando a renovação do modelo de gestão, principalmente na gestão de pessoas, devido à necessidade de sobrevivência no ambiente em que tais organizações atuam. Segundo The Economist, nada mudou mais em 10 séculos de vida humana do que o mundo do trabalho. A maioria das atividades praticadas atualmente não existia há 250 anos.
    O exemplo maior é o declínio das atividades da agricultura, onde uma só pessoa, trabalhando com os recursos de tratores, colheitadeiras e outros equipamentos de mecanização da lavoura, faz o trabalho que antigamente era realizado por 20 a 50 pessoas. Outras atividades tornaram-se mecanizadas de modo mais rápido e abrangente. Entretanto, a mecanização não constitui a maior mudança, nem foi um avanço como a máquina de escrever ou como o chip de silício. A maior mudança repousa no fato de ter sido criado um mundo do trabalho a partir do surgimento da fábrica, no século XVIII, e, com ela, uma grande massa de empregos remunerados.
    Nos dias de hoje, em pleno século XXI, novas e signifi cativas mudanças ocorrem. Até o fi nal da década de 1970, prevalecia nas empresas o modelo organizacional vertical e compartimentado, onde as várias áreas vivenciavam “seu
    negócio” e se comunicavam através dos canais formais de hierarquia. Com isso, sua integração fi cava comprometida e o nível de responsabilidade dos gerentes, reduzido aos limites de seus setores.

    Gestão com pessoas

     

    Gestão com pessoas

    Takeshy Tachzawa, Victor Cláudio Paradela Ferreira e Antônio Alfredo Mello Fortuna

    Promoção Meio a Meio | 50% de desconto

    Válida apenas em 7/11/2013

    Impresso | R$23

    eBook | R$16,5

     

    Participe dos sorteios de exemplares nas redes sociais Facebook e Twitter

  • Postado por editora em Atualidades em 10/01/2013 - 16:38

    “Bons líderes pouco ou nada poderão fazer se não contarem com funcionários que captem a visão que eles possuem e consigam olhar na mesma direção, buscando os objetivos organizacionais que deverão ser alcançados”. Partindo desta premissa, o livro Liderança e gestão de pessoas em ambientes competitivos trata dos desafios de liderar organizações onde se processam mudanças rápidas, demandando inovações constantes. Políticas de gestão que levem em conta a qualidade de vida e o bem-estar no trabalho, relações entre liderança e cultura, competências exigidas do líder, delegação de tarefas, equipes de ato desempenho e transculturais e as questões da ética e da confiança são alguns dos temas abordados.

    O título integra a série Gestão Estratégica e Econômica de Negócios, das Publicações FGV Management.

Subscrever gestão de pessoas