Início

  • Postado por editora em Atualidades, Destaques em 06/07/2015 - 12:49

    Os cinco primeiros livros do Projeto História Oral do Supremo (1988-2013), lançados pela FGV, estão à venda em nosso site.

    As obras estão reunidas em um box e contam a história do Supremo Tribunal Federal através das trajetórias de seus ministros nos primeiros 25 anos da Nova República, mais precisamente de 1988 a 2013. Nesta primeira fase, com o lançamento das cinco obras, o projeto apresenta os relatos dos ministros aposentados Sydney Sanches, Antonio Cezar Peluso, Sepúlveda Pertence, Aldir Passarinho e Luiz Rafael Mayer, os dois últimos já falecidos.

    Os pesquisadores da FGV Direito Rio, FGV Direito SP e do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil levantaram todas as informações sobre os ex-ministros e atuais ministros do STF em diferentes fontes, bem como as decisões por eles tomadas. Além dos citados acima, outros quinze ministros já foram entrevistados. Todos contam sua experiência como ministro do Supremo, e os que já estão aposentados falam também como foi sair do STF e como é a vida pós-STF.

    O material que vem sendo apurado desde 2012, resultou, até o momento, em 200 horas de depoimentos inéditos gravados em vídeo de alta qualidade. As entrevistas foram realizadas nas cidades de Porto Alegre, Recife, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo, com duração média de cinco horas cada uma, transcritas para a publicação impressa. Todas as gravações estão disponíveis no site do projeto em historiaoraldosupremo.fgv.br.

    A previsão é ter outros cinco livros sobre as trajetórias de Nelson Jobim, Carlos Veloso, Celio Borja, Neri da Silveira e Eros Grau lançados até o fim deste ano.

    Os professores e diretores da FGV Direito Rio, da FGV Direito SP e do FGV/CPDOC, Joaquim Falcão, Oscar Vilhena Vieira e Celso Castro, respectivamente, nos apresentam esta coleção. Confira:

    Em cinco de outubro de 1988, foram concluídos os trabalhos da Assembleia Nacional Constituinte e foi promulgada a nossa Constituição Federal, vigente até hoje. Chamada por Ulysses Guimarães de “o documento da liberdade, da dignidade, da democracia e da justiça social”, a CF/88 é marco inquestionável de uma nova fase da história do Brasil.
    Desde então, tem havido uma grande convergência intelectual, um enorme esforço dos acadêmicos brasileiros para compreender o impacto deste documento no Brasil contemporâneo. Várias áreas das ciências humanas, por meio de diversas abordagens, vêm privilegiando estudos em que a nossa Constituição e o Supremo Tribunal Federal encontram centralidade.
    Várias são as instituições e atores sociais que, no seu dia a dia, dão vida e existência concreta à nossa Constituição. Neste contexto, surgiu a ideia de contribuir de forma inovadora para este tão profícuo e importante debate: a aplicação do método-fonte-técnica da História Oral ao Supremo nesses primeiros vinte e cinco anos de vigência da Constituição.
    Seguindo sua tradicional missão institucional de contribuir para o conhecimento e o aprimoramento das instituições democráticas e republicanas do Brasil, a Fundação Getulio Vargas decidiu mobilizar esforços no sentido da construção de uma inédita base de dados qualitativos sobre o Supremo, composta por entrevistas realizadas com aqueles que compuseram a corte entre 1988 e 2013.
    Para tanto, uniram-se as suas duas escolas de Direito, do Rio de Janeiro e de São Paulo, e a Escola de Ciências Sociais/CPDOC (Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil). Ambas as escolas de Direito da FGV, mesmo com apenas pouco mais de dez anos de atividade, já se firmaram no ensino jurídico nacional como instituições propulsoras de um pensamento arrojado, inovador, multidisciplinar e conectado com os desafios da atualidade. E em um olhar sobre o Brasil. Já o CPDOC traz quase quarenta anos de expertise em pesquisas em História Oral, uma vez que atua nesta frente de trabalho desde 1975.
    (...) Esta coletânea, assim, é parte integrante do projeto “História Oral do Supremo”, uma contribuição da FGV para a história contemporânea do Brasil. (...). Boa leitura!

     

    História Oral do Supremo (1988-2013)

    Box com os 5 volumes | R$119,00

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

  • Postado por editora em Atualidades, Destaques, Entrevistas em 08/06/2015 - 08:30

    A Editora FGV lança ‘Quem tem medo de falar sobre drogas?’, obra organizada por Gilberta Acselrad com base em outras 156 perguntas formuladas por estudantes do ensino fundamental e médio de algumas escolas públicas e particulares do estado do Rio de Janeiro, com idade entre 14 e 17 anos.

    Considerando as questões originais de jovens consumidores, potenciais consumidores ou simplesmente curiosos sobre drogas, ao invés de debater ideologias ou questões de especialistas em saúde, criminalidade e política, o livro aborda o tema de forma séria e propõe à sociedade uma rediscussão e uma reinvenção na maneira de discuti-lo com crianças e adolescentes, podendo cumprir um papel fundamental ao abrir caminho para uma nova visão na política de drogas.

    Fizemos 3 perguntas à Gilberta e recebemos repostas claras, objetivas e sem receios de falar abertamente sobre o tema, exatamente de acordo com a proposta do livro. Confira:

     

    Qual a principal contribuição da obra para o debate sobre a política de drogas atual e sobre o comportamento da sociedade diante do tema?

    O que há de original no livro "Quem tem medo de falar sobre drogas? Saber mais para se proteger" é que ele parte de perguntas e inquietações dos próprios jovens. Não é apenas mais um livro sobre drogas do ponto de vista dos especialistas na área. Grande parte das publicações especializadas disponíveis concentra-se nos males decorrentes do uso de drogas ilícitas, que costumam ser caracterizados como inexoráveis. Este livro pretende ampliar as perspectivas e os modos de abordagem da questão, dada a própria diversidade de formas pelas quais a sociedade se relaciona com tais substâncias. Ele foi escrito para adolescentes, para seus pais e professores, com o intuito de estabelecer um diálogo sobre drogas, sejam elas licitas ou ilícitas. Pretende substituir o medo característico da política do “diga não às drogas” pela pedagogia da autonomia, acreditando que os jovens, desde que informados e conscientes, são capazes de escolher o que é melhor para si e sua comunidade. O livro foi organizado a partir de um repertório de 156 perguntas selecionadas entre as que foram formuladas por estudantes dee 14 a 17 anos, do Ensino Fundamental de algumas escolas públicas e particulares do Rio de Janeiro e recolhidas no período de 1990 a 2011.

    Quais as principais críticas às políticas atuais no que diz respeito à conscientização dos jovens sobre o uso das drogas (lícitas e ilícitas)?

    Não acredito que se possa dizer que existam hoje políticas de drogas com o objetivo de conscientizar os jovens. O que predomina é uma gestão policial da experiência de uso das drogas ilícitas – “faz mal, você vai morrer ou ser preso”. No que se refere às drogas vendidas legalmente, a gestão também é repressiva. Não se poderia classificar exatamente como “conscientização” a adoção de uma Lei Seca que não vai além da repressão.

    Na sua avaliação, as políticas e ações antitabagismo e relacionadas ao uso consciente do álcool são eficazes? E, diante da legalização de algumas drogas ilícitas atualmente, estas políticas seriam cabíveis?

    As políticas em relação ao tabaco tiveram sucesso no que refere ao respeito que deve ser observado aos espaços de circulação e convivência coletivos; isto foi surpreendente pela adesão que tiveram em muito pouco tempo. Em relação ao álcool foram retiradas propagandas nos meios de comunicação que estimulavam o consumo, associando o beber ao sucesso e à imagem da mulher, o que ajudou, sem dúvida. Mas a política em relação ao álcool, continua sendo restrita à Lei Seca, e referenciada à legislação que proíbe dirigir sob efeito da bebida alcoólica.

    Podemos dizer que não há uma política relacionada às drogas ilícitas. As medidas são absolutamente baseadas na legislação proibitiva da produção, comércio e uso. Não existe uma discussão e educação sobre essa experiência que faz parte da história humana. Assim, temos é uma gestão policial da produção, comércio e uso dessas drogas, exercida de forma violenta e discriminatória. São desconsiderados seus usos terapêuticos, embora já se fale no assunto, no caso do canabidiol (a ANVISA liberou o uso em alguns casos, mas ainda cercado de muitas exigências). No caso dos usos sociais, prevalece a repressão estrita e violenta. No caso do uso dependente e que causa sofrimento, os Centros de Atendimento Psicossocial para Usuários de Álcool e Outras Drogas (CAPs AD) são articulados com toda a rede de saúde prevista pelo Serviço Único de Saúde e tentam cumprir o seu papel. Mas, de maneira geral, usuários de drogas ilícitas em sofrimento e em situação de perda geral de pertencimento, vivendo nas ruas, são “recolhidos” numa gestão étnica de “limpeza” das ruas, sem consequências positivas efetivas.

     

    O lançamento da obra será no dia 17 de junho, às 19h, na Blooks Livraria. Todos convidados!

     

     

     

    Quem tem medo de falar sobre drogas?: saber mais para se proteger

    Organização: Gilberta Acselrad

    Impresso: R$35

    Ebook: R$25

  • Postado por editora em Atualidades, Destques em 26/05/2015 - 15:36

    O desafio da proteção jurídica ao meio ambiente é extremamente complexo. Caracteriza-se, dentre outros aspectos, pela interseção com o campo das ciências ambientais, pela necessária integração da visão tradicional dos direitos de propriedade com os deveres que emergem do direito ambiental e pelo desafio da proteção intergeracional — o direito como instrumento de garantia dos valores fundamentais se direciona hoje à proteção do meio ambiente para gerações futuras.

    Neste contexto, têm sido conferidas novas e difíceis atribuições ao sistema tributário, além da disciplina jurídica dos tributos, para fazer face às despesas públicas. A incorporação de outras funções, como aquelas extrafiscais e parafiscais, e o inevitável surgimento e desdobramento de novos problemas acentuam o caráter conciliatório da política tributária.

    Diante desta nova realidade, lançamos Tributação e sustentabilidade ambiental, obra composta por textos em português e inglês de autores nacionais e estrangeiros, que tem como objetivo levar ao público em geral informações, dados, reflexões e propostas envolvendo o poder de tributar do Estado e sua função institucional de tutelar a natureza.

    Confira alguns trechos do prefácio escrito pelo professor de direito ambiental Vladimir Passos de Freitas:

    "A proteção do meio ambiente deixou de ser, na última década, uma postura romântica de proteção da fauna e da flora para tornar-se algo essencial à própria sobrevivência, com dignidade, do ser humano na Terra. Com isso as questões ambientais deixaram de ter por foco apenas os recursos naturais, que por si só são importantes, para incluir também a questão econômica e a social.
    Em um país em desenvolvimento, carente de empregos e com graves problemas de exclusão social, o exame dos conflitos ambientais não pode mais ser feito com um só olhar. Ao contrário, deve ser visto sob a ótica de interesses postos no tripé ambiente/economia/sociedade. Para tanto a Constituição Federal dá-nos o fundamento normativo nos arts. 1o, inc. III, 6o, caput, 170, inc. VI, e 225, caput.
    A conciliação desses interesses é que tornará a realização de serviços ou a produção de riquezas sustentável, ou seja, a que não se esgota porque feita de forma racional e com os olhos postos em todas as facetas da questão.
    Evidentemente, o discurso é mais fácil do que a prática. Esta exige renúncias, concessões, conciliação de interesses. É fácil, por exemplo, afirmar que as empresas devem adotar práticas autossustentáveis e assim atender as recomendações do Pacto Global da Organização das Nações Unidas, em 1999. Difícil é uma empresa acatar a recomendação, mas ver diminuídas suas vendas, porque seus preços ficaram mais altos do que os da concorrente que não tem qualquer preocupação ambiental. Outros tantos exemplos poderiam ser dados, mas esse é suficiente para deixar claras as dificuldades de implementação.
    Desnecessário dizer que a repressão por meio dos órgãos da administração ambiental, as ações civis públicas indenizatórias ou de recuperação do dano ambiental e mesmo a sanção criminal são insuficientes para a proteção integral do meio ambiente.
    Diante desse quadro, cabe ao Estado incentivar as boas práticas de proteção do meio ambiente. Só assim os bem-intencionados terão condições de ter competitividade no mercado. Isso pode dar-se mediante diversas práticas, como uma bem planejada tributação ambiental, pagamento por serviços ambientais ou compra de créditos e carbono.
    A obra jurídica que ora se analisa tem exatamente esse propósito, no caso, com foco na tributação. E vem em boa hora. O tema, em que pese sua relevância, é dos que menos têm avançado na área do direito ambiental. (...)
    A obra é completa na abordagem e única na riqueza de ideias e sugestões para que se encontre o meio termo entre o desenvolvimento econômico e a proteção ambiental. Em última análise, a perseguida sustentabilidade. Pela qualidade dos trabalhos, pela qualificação técnica dos autores, ela passa a integrar o rol das obras de consulta obrigatória a todos que se dediquem às áreas ambiental e tributária."

     



    Tributação e sustentabilidade ambiental

    Organizadores: Ana Alice De Carli, Leonardo de Andrade Costa e Ricardo Lodi Ribeiro

    R$52

     

  • Postado por editora em Atualidades, Destaques, Entrevistas, Opinião em 15/05/2015 - 13:01

    A facilidade dos eleitores brasileiros entenderem suas as regras é um dos principais argumentos dos deputados que defendem o 'Distritão' como o sistema  eleitoral mais adequado para a reforma que há anos é debatida no Brasil.

    Os contrários a este sistema alegam que sua aprovação não mudará o quadro político brasileiro, pois a renovação dos deputados ficará bem mais difícil.

    Jairo Nicolau, autor do livro Sistemas eleitorais, alertou, em entrevista ao Jornal Nacional, da Rede Globo*:

    "O sistema (Distritão) privilegia os candidatos que têm mandato - talvez por isso ele tenha tanto apoio entre os políticos atualmente. (...) É um sistema que agrava os defeitos da democracia brasileira..."

    Mas, afinal de contas, o que é um sistema eleitoral? O que é o voto distrital? Quais são as modalidades de sistema proporcional? Como funcionam os sistemas mistos?

    Estas e outras questões estão no livro Sistemas eleitorais, que apresenta informações sobre as formas de escolher representantes em vigor em 95 países democráticos. Cada modelo é apresentado em detalhes, enfatizando seus efeitos sobre outras dimensões do sistema representativo, bem como suas virtudes e seus defeitos. Escrito de maneira didática, o livro é imprescindível para quem quer acompanhar o permanente debate sobre a reforma eleitoral no Brasil, acentuado com essas novas discussões.

     


    Sistemas eleitorais

    Jairo Nicolau

     

     

     

     

    Confira a reportagem completa do JN de 14/5/2015 AQUI

    Abaixo, matéria do autor no Jornal Folha de S. Paulo sobre as recentes discussões:

     

     

  • Postado por editora em Atualidades, Destaques, Entrevistas, Eventos em 14/05/2015 - 13:04

    Com base em extensa pesquisa sobre manuscritos e impressos, além da produção acadêmica apresentada por historiadores portugueses, espanhóis, anglo-saxões, franceses e latino-americanos, Nobrezas do Novo Mundo, do professor Ronald Raminelli, pretende realizar um balanço da produção historiográfica dedicada aos nobres radicados ou nascidos na América hispânica e portuguesa.  O resultado é uma contribuição bastante original ao tema das origens dos privilégios e das hierarquias nas Américas ibéricas.

    Fizemos 3 perguntas ao professor Raminelli. Confira:

     1 – Como surgiram os nobres no Brasil colonial?

    Na Europa e no Brasil, existiam dois tipos de nobres: a nobreza de linhagem e a nobreza política. Muitos consideravam a primeira como a verdadeira nobreza, porque provinha do sangue, dos antepassados que transmitiam a seus filhos os privilégios e a tradição familiar. Em compensação, a nobreza política era criada pelos reis, era uma dádiva concedida pelos monarcas a homens plebeus. O status de nobre então era o reconhecimento e a remuneração régios cedidos a homens que se destacaram ao servir, sobretudo nas guerras, à monarquia. No Brasil, raros eram os nobres do primeiro tipo. Em geral, os moradores da colônia não conseguiam manter os privilégios da nobreza, ou seja, poucos transmitiam aos filhos e netos o status de nobre. Aqui existia a nobreza, particularmente inserida na baixa e média nobreza portuguesa, que depois de poucas gerações perdia os privilégios.  No século XVIII, havia também a possibilidade de comprar títulos de cavaleiro, mediante a arrobas de ouro ou à compra de ações das Companhias de comércio do Grão-Pará e Maranhão. Assim, os homens abastados podiam adquirir títulos desde que apresentassem patrimônio e qualidades comparáveis aos demais nobres inseridos na baixa nobreza.

    2 -  Na introdução de sua obra, podemos encontrar trechos que remetem a um preconceito racial, sobre ‘pretos, mulatos e índios’, para a concessão de títulos nobiliárquicos. Existiram nobres com essas características raciais e, nos casos afirmativos, eles eram respeitados por seus títulos?

    Entre os historiadores, há muita polêmica em torno do racismo na era moderna (1500-1800). Uma corrente acredita que o racismo só pode ser verificado no século XIX quando o preconceito ganha o aval da ciência. Meu livro tende a comprovar que, em Portugal e no Brasil colonial, a herança do sangue determinava o comportamento dos indivíduos e isto era uma prática racista. Assim, os descendentes de judeus e mouros, mesmo depois de convertidos há três gerações, não seriam católicos devotos. O mesmo se dava com a origem cativa dos negros. Negros, mulatos e cristãos-novos (os judeus e mouros convertidos e seus descendentes) não podiam ser nobres porque seu sangue era infecto (inferior).  Em relação aos índios, os impedimentos eram mais brandos. Embora não fossem cristãos-velhos (seus antepassados não eram cristãos), tampouco eram descendentes de heréticos como os cristãos-novos. Além disto, a conquista da América tornou-se legítima para o papado mediante a plano da monarquia de converter os índios ao cristianismo. Por isto, os reis concederam a índios títulos de cavaleiro e comendador das Ordens Militares, mas raramente sagravam cavaleiro os cristãos-novos e afrodescendentes. De todo modo, os chefes indígenas cavaleiros não tinham o mesmo prestígio dos brancos com o mesmo título.

    3 - Qual a principal diferença entre a composição da nobreza ultramarina hispânica da luso-brasileira?

    Partindo de estudos, verifiquei que a concessão de títulos de cavaleiros das Ordens Militares era muito rigorosa no mundo hispânico. Boa parte dos cavaleiros era filho de nobres (hidalgos) e não existiam índios inseridos na baixa nobreza, como se verificou no Brasil. Aqui, a concessão de privilégios da nobreza nem sempre seguia as normas metropolitanas e era possível a um mestiço (índio com branco) ter postos e distinções normalmente atribuídos aos brancos.  No entanto, na América espanhola, os homens ricos podiam comprar títulos de nobreza. Aliás, mediante à soma importante de dinheiro, adquiriam as mais altas titulações da monarquia castelhana e tornar-se marquês, conde e visconde. Isto não era possível aos súditos do rei de Portugal, pois os títulos da alta nobreza não eram concedidos a indivíduos ricos mas sem linhagem fidalga. 

     

    O livro Nobrezas do Novo Mundo será lançado no dia 19 de maio, na Blooks Livraria, em Botafogo.

    Todos convidados!

     

  • Postado por editora em Atualidades, Destaques, Entrevistas, Eventos em 07/05/2015 - 17:21

    "A alusão a uma suposta “Época Pombalina” situada no Setecentos português contém alguns aspectos contraditórios ao fazer crer na realidade histórica de um período dominado totalmente pelo pensamento e ação de um único homem, o marquês de Pombal, pelo rei d. José I, de quem foi fiel e dedicado servidor. O fato é que tal noção não passa de uma construção historiográfica ao mesmo tempo útil e enganosa. Todavia, persiste a força do hábito, e tentar  substituir tal noção por outra — a de “tempos josefinos” — não nos parece menos problemática. Fica de pé tão somente a velha discussão a respeito das relações entre Pombal e d. José I; ou seja, a natureza precisa da influência das ideias e das decisões do “poderoso ministro” no conjunto das ideias e práticas do reinado de d. José I."

    A Época Pombalina” no mundo luso-brasileiro, obra dos renomados professores Francisco Falcon e Claudia Rodrigues, apresenta uma coletânea de estudos e análises de especialistas brasileiros sobre o período histórico da chamada governação pombalina (situado entre os anos de 1750 e 1777) e seus impactos sobre o mundo luso-brasileiro.

    Com diferentes perspectivas teóricas e metodológicas, o livro pretende contribuir para a intensificação das discussões e debates sobre o período pombalino. Seus artigos apresentam específicas formas de se compreender certos aspectos e conceitos ligados às reformas levadas adiante no governo joanino - pelo seu poderoso ministro - e seus impactos sobre o mundo luso-brasileiro, tais como: a divergência sobre a concepção de que as medidas governamentais expressariam um projeto secularizante do Estado e as formas diferenciadas de compreender o pombalismo como prática associada ao chamado despotismo esclarecido.

    Conversamos com o professor Falcon, que nos deu a honra de responder a três perguntinhas para nosso blog. Confira:

     

    1. É genuíno nomear o período do reinado de D. José I - 1750 a 1777 - como “Época Pombalina”?

    A denominação de Época Pombalina aplicada ao período correspondente ao reinado de D.José  é uma espécie de tradição historiográfica e significa apenas que, durante o período de 1750  a 1777,  a grande e dominadora figura política foi Sebastião José de Carvalho e Melo, depois elevado a Conde de Oeiras e, por último, a Marquês de Pombal. Há, é claro - e sempre houve - os detratores; ou seja, aqueles que negam a validade de tal identificação, mas que constituem minoria pouco significativa. Existe, sim, uma discussão teórico-metodológica mais geral sobre tais identificações históricas que existem às centenas. No meu caso, julgo pertinente a associação josefino-pombalina e não me preocupa muito seu caráter genuíno ou não.

    2.      Quais foram as principais contribuições ao mundo luso-brasileiro que podem ser efetivamente atribuídas ao Marquês de Pombal no período batizado com seu título?

    A pergunta é difícil em função da ideia de “contribuições”, uma ideia, que acreditamos já um tanto desgastada. Seria preferível  lembrar que muitas das iniciativas pombalinas - como as cias. de comércio - sacudiram regiões ou setores socioeconômicos importantes da América Portuguesa. O mesmo se poderia dizer de suas iniciativas no campo administrativo, pedagógico e cultural. Há também a defesa do território, especialmente das regiões longínquas do centro-oeste e do norte, embora, convém lembrar também tenha ocorrido o vexame da invasão castelhana em Sta. Catarina.  Existe ainda a questão da visão que tinham os colonos de muitas das reformas decretadas por Pombal, pois, como é fácil de perceber, nem sempre as práticas iluministas ou esclarecidas foram entendidas e recebidas como tais pelas chamadas elites coloniais.

    3.      Qual a principal implicação nas “totalidades históricas” e no estudo e ensino da história quando há uma reinterpretação da real importância de um personagem?

    A relação porventura existente entre totalidades históricas e as sucessivas reavaliações da importância real de um personagem constitui um problema teórico dos mais interessantes e complexos. Na verdade, são duas perspectivas muito distintas em relação as quais os historiadores podem discutir ao infinito.  De fato, quando trabalhamos com o conceito de totalidade, tendo em vistas as ideias de estrutura e conjuntura, por exemplo, o papel dos personagens mais influentes fica em segundo plano. Ao contrário, quando enfocamos uma figura-chave, como Pombal, tendemos a exagerar-lhe a importância real, sendo este contraste, aliás, o “leit motiv” da brilhante obra de Jorge Borges de Macedo sobre a época de Pombal.

     

    A obra será lançada na próxima terça, dia 12 de maio, na Blooks Livraria. Esperamos todos!

     

     

     

    Época Pombalina” no mundo luso-brasileiro

    Francisco Jose Calazans Falcon, Claudia Rodrigues

    Impresso: R$51

    Ebook: 36

     

     

  • Postado por editora em Atualidades, Destaques, Entrevistas, Eventos em 28/04/2015 - 21:42

    No contexto de crescente interesse pela história da ditadura, este livro, da professora Janaina Martins Cordeiro, chega em boa hora. A obra consiste em análise bastante original das festividades dos 150 anos da Independência do Brasil, data comemorada com pompa e circunstância pela ditadura.
    Para qualquer tipo de Estado, mesmo o ditatorial, as estruturas repressivas não são suficientes para manter o poder. Uma dominação estável e duradoura demanda também conquistar o consentimento de uma parte da sociedade. Seguindo essa trilha, o propósito da obra A ditadura em tempos de milagre: comemorações, orgulho e consentimento, é mostrar o lugar das comemorações do sesquicentenário nos esforços da ditadura visando a conquistar legitimidade.

    Fizemos 3 perguntas à autora. Confira:

    De acordo com a orelha do seu livro “Para qualquer tipo de Estado, mesmo o ditatorial, as estruturas repressivas não são suficientes para manter o poder.” Diante desta afirmação, quais foram os principais artifícios, além da repressão, utilizados pela ditadura brasileira?

    São muitas as formas que um regime encontra para manter o equilíbrio social. No caso de regimes autoritários, os mecanismos de repressão e informação são fundamentais, mas não bastam. Especificamente no caso da ditadura civil-militar brasileira, foi de fundamental importância criar uma narrativa histórica na qual o regime de 1964 aparecesse como desdobramento do "devir nacional". Nesse sentido, as comemorações do Sesquicentenário em 1972 configuram o auge do processo de construção dessa narrativa. Além disso, o diálogo com antigas tradições nacionais e o projeto de construção de um futuro grandioso - o "Brasil potência" - foram elementos que ajudaram a fortalecer o pacto social em torno da ditadura.

     O governo ditatorial logrou êxito em suas tentativas de criar popularidade junto à sociedade civil?

    É muito difícil afirmar categoricamente que sim ou que não. Mesmo porque, sob este aspecto, não podemos considerar a ditadura como um todo homogêneo. No caso particular do período de que trata o livro, ou seja, do governo Médici - e ainda mais especificamente, do ano de 1972 -, é possível dizer que naquele momento a ditadura desfrutou de expressiva popularidade. A capitalização da vitória da Copa do Mundo de futebol em 1970, as comemorações do Sesquicentenário da Independência e o crescimento da economia proporcionado pelo Milagre Brasileiro podem dar, em certa medida, a dimensão de um momento em que a ditadura conseguiu estabelecer algum diálogo com segmentos importantes da sociedade. Mas devemos levar em conta a particularidade do contexto daqueles primeiros anos da década de 1970.

     Qual a principal contribuição de sua obra para a história do Brasil?

    É muito difícil avaliar isso, mas penso que meu trabalho se insere em um contexto mais amplo da historiografia sobre a ditadura no Brasil. Recentemente, alguns estudos no Brasil têm buscado analisar os comportamentos coletivos sob a ditadura buscando compreende-la como um processo de construção social, seguindo uma tendência que vem se firmando na Europa e América Latina, no que tange aos estudos sobre as experiências autoritárias do século XX. Penso que meu trabalho é uma pequena contribuição nesse sentido.

     

    A obra será lançada na quarta-feira, dia 6 de maio, na Blooks Livraria. Todos convidados!!

     

     

     

  • Postado por editora em Atualidades, Destaques, Eventos em 10/04/2015 - 11:56

    Em Foucault, a ideia de dispositivo, essencialmente estratégica, é de um conjunto produzido pelo cruzamento heterogêneo de relações de poder e de saber.

    Partindo deste conceito, mas mantendo suas análises pessoais, os autores do livro Dispositivos urbanos e trama dos viventes: ordens e resistências, que será laçado no próximo dia 13 de abril, pensaram algumas questões relativas ao “urbano” associadas à produção de desigualdades e às formas específicas de precarização da vida.

    Escritos por sociólogos, antropólogos e historiadores, os vinte artigos contidos nesta coletânea debatem e levantam essas questões que se desdobram sobre uma situação: o urbano e seus contextos, suas multiplicidades, seus modos de organização da vida, a produção de desigualdades e da precariedade, sem a preocupação de oferecer soluções para os problemas supostamente “ainda” mal resolvidos nas cidades, mas com o objetivo de problematizar a produção deles como “questões sociais” que mobilizam o medo, o racismo e favorecem as políticas de exclusão e de segregação de grande parte de seus habitantes.

    A transversalidade e os sentidos das experiências relatadas e analisadas na obra e os elementos de tangência e de conexão que se entreveem a partir da leitura dos diferentes textos apontam para a constituição de uma ordem globalizada que ancora e produz subalternidades, precarizações, impossibilidade de absorção de contingentes de população no quadro de uma vida urbana digna, gerando territorialização e gestão da pobreza que é menos exclusão do que inserção.

    Em breve, entrevista com os autores.

     

    Esperamos todos no lançamento!

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    Dispositivos urbanos e trama dos viventes: ordens e resistências

    Organização: Patricia Birman, Márcia Pereira Leite, Carly Machado, Sandra de Sa Carneiro

    Impresso: R$49

    Ebook: R$35

  • Postado por editora em Atualidades, Destaques em 02/04/2015 - 15:43

    Os elementos para o debate da reforma do processo orçamentário são discutidos em mais esta obra do professor Fernando Rezende.

    Autor de livros já publicados pela Editora FGV como, 'Reforma fiscal e equidade social', os dois volumes de 'A reforma esquecida', O federalismo brasileiro em seu labirinto: crise e necessidade de reformas', entre outros, Rezende aponta, nesta nova publicação, as análises sobre a urgência na revisão das escolhas orçamentárias, no ajuste fiscal e na gestão pública nacionais.

    O livro A política e a economia da despesa pública: escolhas orçamentárias, ajuste fiscal e gestão pública (elementos para o debate da reforma do processo orçamentário) aborda questões que conduzem a uma reflexão que associa a natureza do processo orçamentário brasileiro a um jogo, em que os ganhadores já estão previamente definidos, e no qual a participação de outros parceiros é bloqueada ou limita-se a disputar o que sobra do salão principal.

    O objetivo da obra é provocar um debate político, assentado na exploração desses conflitos e na exploração dos limites à continuidade das opções que vêm sendo adotadas. Através de uma leitura atenta do texto apresentado, compreende-se o estímulo à proposta de uma revisão das regras do jogo orçamentário, de modo a que seu resultado possa gerar maiores e melhores benefícios para a sociedade brasileira.

    De acordo com o autor, não restam dúvidas com respeito ao fato de que a implementação das regras adotadas no texto da Constituição contribuiu significativamente para a melhoria das condições sociais do país, mas ainda é preciso avaliar se é possível sustentar esses ganhos sem mudanças nas regras que comandam o processo orçamentário.

    Rezende conclui que esta obra "dá mais um passo na direção de reunir elementos e argumentos que visam inserir a reforma do processo orçamentário no topo da lista das reformas prioritárias, para sustentar taxas de crescimento econômico compatíveis com o objetivo de dar continuidade ao processo de redução das desigualdades e de melhoria das condições sociais de uma parcela expressiva da população brasileira."

    Confira o livro:

     

     

     

    A política e a economia da despesa pública: escolhas orçamentárias, ajuste fiscal e gestão pública

    Fernando Rezende

    R$37

  • Postado por editora em Atualidades, Destaques, Entrevistas, Opinião em 27/02/2015 - 18:03

    Para as comemorações dos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro buscamos alguns depoimentos que identificam o espírito de ser carioca.

    Autores e colaboradores da Editora e de escolas, institutos, setores, diretorias e centros de pesquisa da Fundação Getulio Vargas foram convidados a descreverem seus sentimentos sobre a cidade.

    Os nascidos no Rio ou mesmo São Paulo, Minas, Piauí, Rio Grande do Norte e do Sul e ainda Itália, Argentina, Inglaterra, França e mundo afora nos narram suas experiências sobre ser carioca - da gema, de adoção ou de doação.

    Tudo em até 450 caracteres – ou perto disso.

    Aproveitamos esta oportunidade para convidar todos os nossos leitores - profissionais, alunos, professores, curiosos ávidos por conhecimento – a fazerem parte desta homenagem à cidade e nos deixarem seu comentário.

    Pode ser num “quase tweet triplo”, num post do Facebook, por email ou em nosso blog.

    Como Editora, recorremos às letras para o primeiro registro desta homenagem e, através de Vinícius de Moraes, identificamos o espírito que desejamos compartilhar.

    “Um carioca que se preza nunca vai abdicar de sua cidadania. Ninguém é carioca em vão. Um carioca é um carioca. Ele não pode ser nem um pernambucano, nem um mineiro, nem um paulista, nem um baiano, nem um amazonense, nem um gaúcho. Enquanto que, inversamente, qualquer uma dessas cidadanias, sem diminuição de capacidade, pode transformar-se também em carioca; pois a verdade é que ser carioca é antes de mais nada um estado de espírito.”

     Trecho de ‘Estado da Guanabara’ extraído do livro "Para Viver Um Grande Amor", Livraria José Olympio Editora – Rio de Janeiro, 1984, pág. 185.

     

    Confira alguns depoimentos e faça parte!

     

    “Existe um senso comum que caracteriza os cariocas como pessoas engraçadas, receptivas, divertidas e que sempre marcam compromissos com os habituais ‘a gente se vê’, ‘passa lá em casa’, ‘vamos marcar’, sem que nada de efetivo aconteça.
    Mas ser carioca é algo mais profundo e que envolve um processo da construção de identidade da cidade - que se modificou ao longo dos anos, já que foi Corte, Distrito Federal, estado da Guanabara  e capital do Estado do Rio.
    Moradores, nascidos aqui ou não, sempre acreditaram que esta cidade é um espaço especial e que ser carioca é sintetizar a ideia de ser brasileiro.”

    Marieta de Moraes Ferreira | carioca do Rio

    História | Diretora da Editora FGV e do FGV/Sistema de Bibliotecas

    Autora/organizadora das obras (entre outras): Rio de Janeiro: uma cidade na história (Relançamento previsto para segunda quinzena de março/2015); A História como ofício: a constituição de um campo disciplinar, História do tempo presente, História do tempo presente, Memória e identidade nacional, João Goulart - entre a memória e a história

     

     

     

     

     

     

    “Só posso dizer que nasci , me criei, estudei no Rio de Janeiro. Vivi alguns anos na Europa e conheço muitas cidades  no mundo. Considero que o Rio de Janeiro, das cidades que conheço, é uma das mais lindas. Ela tem algo de muito especial, tanto do ponto de vista de relevo e aspecto físico, como em relação a sua população, alegre, bem humorada. Além disso, tem uma arquitetura, tanto antiga como moderna, das mais importantes.”

     Alzira Alves de Abreu | carioca do Rio

    Sociologia| Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (FGV/CPDOC)

    Autora/organizadora das obras (entre outras): Dicionário da política republicana do Rio de Janeiro, Caminhos da cidadania, Dicionário histórico-biográfico da propaganda no Brasil, A democratização no Brasil: atores e contextos


     

     

     

     

     

     

    “Um paulistano que se preza ama o Rio de Janeiro, porque nenhuma outra cidade representa tão bem o Brasil. Mas eu tenho outras razões para amar o Rio de Janeiro. Foi a cidade de minha tia Maria José e meu tio, Alexandre Barbosa Lima Sobrinho, e dos seus quatro filhos, meus primos. Era para sua casa em Botafogo que eu e meu irmão íamos passar as férias, nadar na praia da Urca. Depois, eles e eu envelhecemos, mas nunca deixei de fazer a minha visita ao grande intelectual e homem público que foi meu tio.”

     Luiz Carlos Bresser-Pereira | carioca de São Paulo

    Direito, economia e ciência política, ex-ministro da Fazenda e mais no site http://www.bresserpereira.org.br/

    Autor/organizador das obras (entre outras): O que esperar do Brasil?, Depois da crise: s China no centro do mundo?, Construindo o estado republicano: democracia e reforma da gestão pública, Reforma do Estado e administração pública gerencial

     

     

     

     

     

     

    "Foi um RIO que passou em minha vida e meu coração se deixou levar. Bonito pela própria natureza. Mas que beleza! Da janela vê-se o Corcovado e o infinito azul do mar."

    Joaquim Falcão | carioca do Rio

    Direito e educação | Diretor da FGV/Direito Rio e site http://www.joaquimfalcao.com.br/

    Autor das obras (entre outras): Quase todos, Invasões urbanas: conflitos de direito de propriedade

     

     

     

     

     

     

    “Ser carioca é deixar-se balançar pelo tempo, desafiar o compromisso, esquecer, não pensar; viver o instante sem esforço. Ser carioca é maravilhar-se, emocionar-se, desejar, tremer frente ao compromisso que não seja familiar ou ligado ao trabalho; gosto do prazer. Ser carioca é também ser expansivo, excessivo, reativo comprometendo-se plenamente dentro de uma incerteza e sensibilidade sedutoras; E sempre repetir”.

    Charlotte Riom | carioca da França

    Musicologia | Professora da FGV

     

     

     

     

     

     

     

    "Ser carioca é ocupar as ruas. É ser uma das primeiras cidades do Brasil a se levantar em junho de 2013 e ser uma das últimas a se desmobilizar. Ser carioca é não ter medo de discursos autoritários vindos do poder público e lutar sem cansar pela liberdade de organização e de expressão. Ser carioca é procurar fazer ouvir a voz de todos os grupos sociais para  construir uma política e um direito cada vez mais universais. Ser carioca é compreender, como dizia meu falecido pai, que "beleza não põe mesa". A alma do Rio de Janeiro que me interessa está encarnada no corpo de todas as mulheres, homens, trabalhadores, trabalhadoras, estudantes, fluxo, gays, lésbicas, travestis, transsexuais que tem perdido o bom humor e repetido o gesto ancestral que fundou a ágora para se fazerem ouvir, em nome do direito e da democracia."

    José Rodrigo Rodriguez | carioca de São Paulo

    Direito, filosofia e poesia https://jrodrigorodriguez.wordpress.com/

    Autor da obra (vencedora do Prêmio Jabuti): Como decidem as cortes?: para uma crítica do direito (brasileiro)

     

     

     

     

     

     

     

    "Ser carioca é um jeito próprio de ver e lidar com a vida, seja dos nascidos ou não sob a sombra do Corcovado. O carioca tenta não se levar tão a sério, nem aos outros. Zomba de si e do resto do mundo. Só não tolera bancar o mané. Permite-se viver sem complexo ou arrogância. Define-se sem comparações. Carioca? Carioca é carioca. Nem melhor, nem pior. Uma opinião boa acerca de si mesmo."

    Mauricio Metri | carioca do Rio

    Economia, história e Viomundo http://www.viomundo.com.br/?s=mauricio+metri

    Autor da obra: Poder, riqueza e moeda na Europa Medieval: a preeminência naval, mercantil e monetária da Sereníssima República de Veneza nos séculos XIII e XV

     

     

     

     

     

     

    “Como não se encantar com o indescritível poder da cidade maravilhosa? Sinto o poder quando estou no Rio. O poder de encantamento, o poder de doçura gratuita, o poder de transformar as dores das mazelas do dia a dia na esperança de tempos melhores! O poder da mistura do samba com morro, praia e sol. E diante de todo esse poder, emanado sem discriminar raça, credo ou bolso, só nos cabe desfrutá-lo e abraçá-lo com devoção e reverência. Afinal, o Rio nos recebe sempre de braços abertos, assim como seu principal marco turístico. Parafraseando Chico Buarque: o poente na espinha das tuas montanhas quase arromba a retina de quem vê.”

    Samy Dana | carioca de São Paulo

    Economia, administração e dicas no blog 

    Autor da obra: VBA para administradores e economistas

     

     

     

     

     

     

    “O carioca é antes de tudo um forte, um Jó bronzeado que aplaude o pôr-do-sol e anseia por dias melhores, que às vezes chegam. O Rio de Janeiro está vivo e a cidade vibra entre maravilhas e engarrafamentos, chacinas e pacificações, nostalgias de ex-capital e dinamismos à procura de vocação global.  Ela está por aí, em algum lugar entre o Atlântico e a serra.”

    Maurício Santoro | carioca do Rio

    Ciência política e blog da Anistia Internacional

    Autor da obra: Ditaduras contemporâneas

     

     

     

     

     

     

     

    “Ensolarada, deslumbrante, paradoxal. Mar de morros, rica e mendicante em meio ao império de gentileza, musicalidade e insegurança pública. Contraditória, traz paz e preocupação, prazer e indignação. Cada improviso de artista nas ruas dessa cidade é ânimo, vida, inspiração. Sou privilegiada por caminhar pelos calçadões e poder olhar o horizonte, sentir a brisa e pensar livros que espelhem tal cultura cosmopolita e única, que atrai o mundo inteiro.”

    Sacha Mofreita Leite | carioca do Rio

    Jornalismo | Coordenadora de Publicações da FGV/Direito Rio

     

     

     

     

     

     

    "Tudo começou no encontro de calouros a EBAPE/FGV em 1978, então os dois gaúchos se conheceram, depois casaram, vieram quatro filhos e dois netos, todos cariocas, e a felicidade floresceu no Rio de Janeiro.
    Moram em Copacabana, ao lado do Parque Estadual da Chacrinha, incentivam  a preservação da natureza, e plantam sempre o bem.
    Há décadas trabalham no mercado financeiro, são autores do livro “A Bolsa no bolso”,  da Editora FGV, dedicado a todos os alunos e mestres que fizeram refletir sobre a educação financeira. A vida continua, a cidade maravilhosa e a FGV mudam para melhor a vida das pessoas."

    Moises e Ilda Spritzer | cariocas do Rio Grande do Sul

    Economia | Professores da FGV

    Autores da obra: A Bolsa no bolso: fundamentos para investimentos em ações

     

     

    “Bem-vinda ao Rio fui em 1994. Uma cidade que não te abraça, não te faz carinhos, nem afagos, mas que te proporciona tamanha beleza e pulsação que é quase impossível não viver uma atração irresistível. A cidade muito mais que partida, unida em suas desigualdades de renda, igualdades de praia, de território e de festa. É cidade do mundo, cidade das paixões, cidade dos desafios duros e desejos que parecem irreconciliáveis. Há 450 anos e tantos outros que virão.”

    Débora Thomé | carioca de Barra do Piraí

    Jornalismo, economia e livros

    Autora da obra: O Bolsa Família e a social-democracia

     

     

     

     

     

     

     

    "Um caudaloso rio de 450 janeiros, marços, a melhor dizer - o Rio de Janeiro. Rio de contrastes, de contradições, uma maravilhosa cidade, mesmo assim. Todo rio tem dois lados, o Rio tem vários e complexos, mas faz toda alma cantar. Um amigo italiano me disse: deslumbrante cidade, mas tenho pena do carioca. Por que, perguntei, pelas violências, pelos descasos? Nada disso, porque a ele não foi dado o direito de ver o Rio, pela primeira vez."

     Mauricio Murad | carioca de Carmo

    Sociologia, futebol e romance

    Autor das obras: Sociologia e educação física: diálogos, linguagens do corpo, esportes, A violência e o futebol: dos estudos clássicos aos dias de hoje

     

     

     

     

     

     

     

     

    "Não posso me queixar: acredito que mineiros têm uma espécie de salvo conduto no Rio, pois sempre presencio manifestações entusiasmadas quando alguém confessa vir de Minas. Nossas boas-vindas são, invariavelmente, as piores imitações de “mineirês” possíveis, porque cariocas acreditam não terem sotaque. Tudo bem. O fato é que o Rio é uma cidade que me espanta pela exuberância dos defeitos e qualidades. Desconfio de que não seja possível entender o Rio, é preciso apenas amá-lo."

    Renato Franco | Carioca das Minas Gerais

    História

    Autor das obras: A piedade dos outros: o abandono de recém-nascidos em uma vila colonial, século XVIII, Aprendendo história: reflexão e ensino

     

     

    “Para quem vem de fora, o Rio de Janeiro sequer é uma cidade: de longe, todo gringo esconde nela algumas esperanças, uma meia dúzia de sonhos e uns pedacinhos de seu próprio futuro, com um olho no "Vai que...". Depois, quando finalmente mora aqui, seu maior barato é sair em busca daquilo que ele mesmo espalhou. Se isso não é a definição perfeita de "maravilha", aí não sei mais o que é...”

    Marcello Perongini | carioca da Itália

    Coordenador de Marketing Digital da FGV

     

    Acompanhe mais depoimentos e envie o seu. O Rio merece esta homenagem.

    Confira também nas nossas redes sociais (Facebook e Twitter).

    Acesse a seção especial do nosso site com as obras relacionadas ao Rio.

Páginas