Início

  • Postado por editora em Eventos em 03/09/2012 - 19:02

    Boa dica para correr atrás daquela oportunidade dos seus sonhos: começa hoje a FGV Talentos, primeira feira de estágio e trainee da fundação. Empresas como Oi, IBM, Infoglobo, EBX, Itaú, Shell e L'Oréal  participarão com estandes e palestras na nossa sede: Praia de Botafogo, 190.

    Confira a programação e venha nos visitar!

  • Postado por editora em Atualidades em 30/08/2012 - 18:05

    Quais são os estagiários mais bem remunerados do Brasil? Pesquisa Nacional de Bolsa-Auxílio 2012, realizada pelo Núcleo Brasileiro de Estágios, revela a média paga aos estagiários por empresas de pequeno, médio e grande porte. Confira:

    Superior: Média Brasil: R$ 879,14

    1 Economia R$ 1.220,74
    2 Engenharia (todos) R$ 1.127,61
    3 Estatística R$ 1.112,75
    4 Comércio Exterior R$ 1.070,83
    5 Ciências Atuariais R$ 1.065,25
    6 Marketing R$ 1.016,23
    7 Matemática R$ 1.014,50
    8 Química R$ 995,52
    9 Relações Internacionais R$ 991,86
    10 Arquitetura R$ 990,78

     

    Fonte:www.nube.com.br

  • Postado por editora em Atualidades em 28/08/2012 - 18:08

    Sabe aquela sua ideia brilhante que nunca saiu do papel? O Google quer dar uma chance para ela. Inscreva-se em concurso e concorra a R$ 35 mil para investir no seu sonho.

    Até o dia 14 de setembro, uma urna high tech vai circular pelas principais agências de publicidade do Brasil. Em se tratando de Google, é claro que a tal “Google Box” não poderia ser uma caixa qualquer: ela fala.

    Se você não está perto de nenhuma das agências, sem problemas: pode inscrever seu projeto pelo site http://goo.gl/QG60q.

    Três regrinhas básicas:

    1. Sua ideia precisa usar pelo menos um produto Google;

    2. Ela tem que ser inovadora e melhorar a vida das pessoas (deixando-a mais fácil, sustentável ou divertida);

    3. E ser inédita.

     

     

     

     

    Boa sorte!

  • Postado por editora em Atualidades, Eventos em 14/08/2012 - 15:05

    Qual é a relação entre testemunho, realidade e ficção em obras cinematográficas? Em documentários, é mesmo tudo verdade? Eduardo Morettin bate um papo sobre o papel do cinema na história durante o Café Intercom, que acontece dia 27 na Rua Joaquim Antunes, 711, Pinheiros (SP).

    O professor da USP é o organizador, com Mônica Almeida Kornis e Marcos Napolitano, do recém-lançado História e documentário. O livro reúne análises que começam nas primeiras décadas do século XX (quando a produção cinematográfica brasileira concentrava-se nas cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro); passam por cinejornais e documentários realizados entre a ditadura do Estado Novo e a militar, com filmes de propaganda do regime e filmes anticomunistas; pensam a maneira como o índio brasileiro foi representado pelo cinema ao longo do tempo; e estendem-se à produção uruguaia e à espanhola, refletindo sobre a relação entre cinema e política em tempos cinzentos.

    Por falar nisso, a partir do dia 28 é a vez de Belo Horizonte receber o É Tudo Verdade, festival internacional de documentários. Até 2 de setembro, serão exibidos alguns dos principais filmes da 17ª edição do festival, que já passou pelo Rio, SP e Brasília. Vale a visita!

  • Postado por editora em Entrevistas em 26/06/2012 - 19:20

    "Bora fazer o perfil no @skoobnews, a maior comunidade de leitores do Brasil!!" Convocações como esta e elogios rasgados são frequentes no twitter. Com mais de 30 mil seguidores em seu perfil, o Skoob, a maior rede social de leitores do país, contabiliza 25 milhões de visualizações de página por mês e 675 mil usuários ativos. Gente interessada em compartilhar uma paixão comum: a leitura.

    Fizemos 3 perguntas para Lindenberg Moreira, fundador da comunidade:

     1. Qual é a fórmula para o sucesso de uma rede social?

    Não acreditamos que exista uma fórmula sistemática para o sucesso de uma rede social. Principalmente se for uma rede social com um tema específico, como é o caso do Skoob, totalmente dedicado a livros e leitores. A única certeza que temos é que o mais importante é fazer com que os usuários se sintam bem, sintam que realmente fazem parte de uma rede e que sua participação é desejada e importante para todos ali.

     2. Como assimilar o conceito de plataforma colaborativa em diferentes modelos de negócio?

    É possível aplicar o conceito colaborativo em praticamente quase todo tipo de negócio. Quando os usuários gostam do seu produto, eles querem ajudar de alguma forma, só precisam ter as ferramentas certas para que possam colaborar. Cada tipo de negócio vai exigir uma ou várias ferramentas diferentes para que haja uma colaboração satisfatória. Por exemplo: uma loja de eletrodomésticos pode ter um fórum onde seus clientes troquem pequenas informações sobre montagem e configuração de aparelhos. Certamente as dúvidas mais simples serão respondidas rapidamente pelos usuários mais experientes, e isso já iria diminuir bastante o número de ligações que a empresa recebe com dúvidas.

    Precisamos entender que o livro não é forma, é conteúdo, e que agora precisa se tornar experiência"

    3. Como você vê o futuro do mercado editorial, considerando desafios impostos pela internet . como programas que permitem a publicação de livros de forma independente, a pirataria digital e o relacionamento com o leitor através das redes sociais?

    Os desafios que o mercado editorial está enfrentando agora são quase os mesmos que as gravadoras enfrentaram poucos anos atrás. A diferença é que hoje temos muito mais conectividade e mobilidade, o número de pessoas com banda larga e de locais onde a internet está disponível gratuitamente estão crescendo bastante. Além disso, temos celulares muito poderosos, que rodam quase todo tipo de aplicação que usaríamos em um computador comum. E este é o ambiente perfeito para o compartilhamento fácil e rápido de arquivos, principalmente músicas, filmes e os livros.

    O mercado editorial precisa encarar o fato de que a pirataria existe e sempre irá existir. A única forma de diminuir o seu efeito é oferecer preços competitivos e gerar mais atrativos para os produtos. Precisamos entender que o livro não é forma, é conteúdo, e que agora precisa se tornar experiência. Autores, editoras e livrarias terão que resolver rapidamente as suas diferenças e se unir para criar espaços onde seus leitores tenham opções que vão além da história do livro. Debates, entrevistas com autores, curiosidades, opiniões de outros leitores e participação em eventos especiais são algumas das inúmeras possibilidades para gerar uma experiência que ultrapasse o conteúdo do livro, mostrando que o leitor está pagando para ter algo a mais.

  • Postado por editora em Entrevistas em 26/06/2012 - 19:13

    A área de Relações Internacionais está em franco crescimento no Brasil. Cursos se multiplicam; vagas de emprego, idem. Para atender à demanda de estudantes e profissionais por livros atuais e de qualidade, que reflitam sobre o papel do Brasil também através de uma perspectiva interna, a Editora FGV investe em publicações na área.

    Fizemos 3 perguntas a Matias Spektor, doutor pela Universidade de Oxford, coordenador do Centro de Relações Internacionais da FGV e professor e pesquisador do CPDOC. Confira:

    1. O que são Relações Internacionais?

    Relações Internacionais é a disciplina que estuda as principais dinâmicas que dão forma ao sistema internacional. Busca entender a lógica da competição entre as visões de ordem global que circulam pelo mundo e que estão permanentemente em choque. E o estudo da política internacional sempre traz embutido uma preocupação ética: como se faz para criar um mundo que seja minimamente estável, justo e afluente?

    2. Por que a área é cada vez mais valorizada no Brasil?

    Por um lado, o país tornou-se mais relevante para o mundo e é um ator sem o qual não se pode fechar qualquer negociação global nas áreas de economia e finanças, energia, comércio e meio ambiente. Estamos mais ativos em questões de segurança, ajuda internacional para o desenvolvimento, operações de paz e somos o principal motor da integração regional na América do Sul. Por outro lado, o mundo ficou mais importante para o Brasil: o que acontece aqui depende diretamente de eventos internacionais que nós, brasileiros, não podemos controlar, mas podemos e devemos entender.

    3. Quais os desafios do mercado editorial em RI?

    Precisamos traduzir para o português a riquíssima produção internacional. E também precisamos publicar o trabalho de grandes talentos brasileiros que trabalham na área.

    Confira os títulos da Editora FGV em Relações Internacionais!

  • Postado por editora em Eventos em 26/06/2012 - 18:02

    A Editora FGV lança às 19h desta quinta-feira, na Blooks, Linguagens e fronteiras do poder. O livro é organizado pelo integrante da Academia Brasileira de Letras José Murilo de Carvalho e por Miriam Halpern Pereira, Gladys Sabina Ribeiro e Maria João Vaz.

    Reunindo artigos sobre as relações Brasil-Portugal no império e pós-império, a obra põe em questão conceitos históricos como liberdade, revolução e abolicionismo e oferece novas perspectivas de interpretação.

  • Postado por editora em Opinião em 11/03/2011 - 16:25

     Por Carlos Eduardo Rebello*

    "Em 2011, toda a obra de León Trotski caiu em domínio público. Isto porque, quando um autor completa sete décadas de morte, a partir do primeiro dia do ano seguinte seus livros passam a ter livre uso comercial. Trata-se de uma ótima oportunidade para facilitar o acesso dos leitores aos pensamentos deste que é o mais moderno dos clássicos marxistas.

    Alguém poderia perguntar: qual o sentido de ler ou escrever sobre um projeto político e social 'fracassado' e 'ineficiente'? A resposta é simples. O fracasso da experiência soviética não pode invalidar o socialismo. Do mesmo modo que os acidentes rodoviários não invalidam a indústria automobilística.

    Ora, nem Marx nem qualquer um dos seus seguidores jamais supôs que o objetivo do Socialismo fosse criar uma sociedade 'superior', e sim que o socialismo seria uma necessidade objetiva criada pela contradição básica do capitalismo: a criação de riquezas sociais (novas tecnologias, produtos e necessidades) para fins anti-sociais, porque privados.

    As conseqüências desta contradição . desemprego, destruição de recursos naturais etc . exigem ainda hoje o Socialismo. Não como um ideal, mas como necessidade concreta. Que o projeto bolchevique tenha fracassado apenas torna mais importante a busca pela sintonia fina entre o social e o político, e acredito que isso justifique o interesse por Trotski e os marxistas".

    Carlos Eduardo Rebello é economista, professor da Uerj e autor do livro Trotski diante do socialismo real: perspectivas para o século XXI, da Editora FGV.

Páginas